Seguidores e Leitores deste Blog

contato, dúvidas, envio de fotos, fale conosco.

Nome

E-mail *

Mensagem *

traduza este blog

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Cães! Quer ter um? Leia este artigo até o fim.




Nos últimos dias temos vistos uma grande quantidade de feiras de adoções de cães e gatos. Isto é muito bom, pois esses queridos amigos precisam de um lar e amor de seus donos. Mas algumas regras devem ser seguidas para o bem estar de todos, animais e donos. Este artigo copiado de um site, à quem todos os créditos são dados, trás um grande e ótimo resumo de como proceder. Pode parecer longo, mas é muito interessante.

É tentadora a hora em que vamos conhecer uma ninhada cheia de cãezinhos fofos. Da vontade de levar todos pra casa. Mas essa é a hora crucial para que escolhamos aquele filhote que mais se adequar ao nosso estilo de vida e é o primeiro passo para evitarmos futuros problemas.

''Olha que fofo, ele adora rosnar de brincadeira!''; ''mãe, vamos levar aquele ali fofinho escondido embaixo da cadeira?'' Não caia nessas armadilhas.

Um cão dominante, líder, vai exigir muito mais treino e mais experiência por parte dos donos, pois este cão vai querer mandar na casa, não vai obedecer regras com facilidade e pode se tornar um cão demasiadamente agressivo.

Por outro lado, um cão medroso demais também pode se tornar agressivo, pois a agressividade vem do medo e da coação. O ideal é um cão intermediário. De olhar vivo, sem medo, mas que não seja desafiador. Um cão cauteloso na medida certa, sem ser medroso ou corajoso demais.

Escolhendo o cão certo pra levar pra casa é garantir um primeiro passo triunfante para se ter um melhor amigo ideal e feliz.

Siga os passos a seguir quando for escolher um filhote em uma ninhada. Não esqueça, claro, de pedir pra ver a mãe e o pai dos filhotes. Caso a mãe ou o pai estejam presos, desconfie. Ou você quer ter um filhote de fera?



Passo 1


Comece colocando o bichinho no chão, em um lugar desconhecido. Afaste-se um pouco, agache e chame o pequeno com palmas, falando em um tom de voz suave a alegre. Observe então como o filhotinho vem até você.


- Se ele vier prontamente, com o rabo levantado, pular e até tentar morder nossa mão, temos um cachorro bastante dominante.
- Se ele vier com o rabo levantado e apenas subir no colo, é um cachorro menos dominante.
- Se vier com o rabo baixo, é mais submisso.
- Se não vier, provavelmente será um cão medroso ou com pouco interesse nos seres humanos. 



Passo 2 



Levante-se e comece a andar.


- O filhotinho dominante irá nos seguir prontamente, com o rabo levantado e mordendo nosso calcanhar.
- Se não for tão dominante, só irá seguir-nos com o rabinho levantado.
- Se for mais submisso ficará com o rabinho baixo.
- Se o cachorro não seguir, será um cachorro mais independente. 



Passo 3 


Em seguida, pegue o filhotinho com todo cuidado do mundo (lembre-se ele é só um bebê e a última coisa que queremos é que ele fique assustado), coloque-o deitado no chão de barriga para cima e ponha então sua mão aberta sobre o peito dele. Observe sua reação.


- Filhotes mais dominantes vão espernear mais, alguns vão até rosnar e tentar morder sua mão.
- Os muito tímidos vão ficar imóveis, com o rabinho entre as pernas e até fazer esforços para olhar nos seus olhos.
- Um filhotinho intermediário vai espernear e até ganir um pouco, parar, espernear mais um pouco, e assim até se acalmar.



Não se esqueça, é muito importante fazer isso com o máximo de gentileza possível



Passo 4


Pegue o filhotinho com as duas mãos, coloque-o bem próximo do seu rosto, encare-o e observe sua atitude.


- Filhotes extremamente dominantes vão rosnar e até tentar morder nosso rosto.

- Filhotes independentes, vão tentar ir embora.
- Filhotes muito submissos e tímidos, vão evitar contato com os olhos.
- Filhotes que tentarem lamber nosso nariz, são menos dominantes e que não ficam sentidos com tanta facilidade.



Passo 5 

Por último, deixe cair um molho de chaves no meio da ninhada. 

- O dominante vai imediatamente ver o que é. 
- O intermediário vai hesitar, depois vai ver o que é.
- O medroso vai fugir. 


Castrar, sim. E o quanto antes.



Castrar um cão ou gato é mais do que uma questão de reprodução: é uma questão de saúde. Castrando o seu bichinho você está prolongando a vida dele.
A principal doença reprodutiva das cadelas, e o tumor mais comum de cadelas sexualmente intactas, é o tumor de mama. Ele é o segundo tumor mais frequente em cadelas e o terceiro mais comum em gatas. É provado que a sua incidência cai para 0,5% quando a cadela é castrada antes do primeiro cio, mas o efeito da castração na diminuição da incidência deste tumor vai diminuindo com o tempo, sendo que não se altera se a cadela for castrada após o segundo cio. Já nas gatas, a ocorrência de tumor de mama é sete vezes maior em fêmeas não castradas do que naquelas castradas.
Além dos tumores de mama, a castração precoce previne virtualmente quase todos os outros tumores relacionados ao sistema reprodutor, tanto em machos quanto em fêmeas, assim como outras doenças do sistema reprodutor. Por exemplo, uma doença muito comum em cadelas e gatas, principalmente naquelas que receberam hormônios para evitar o cio, é o Complexo Hiperplasia Endometrial Cística PIOMETRA, doença que se não for tratada a tempo, ou seja, se não for realizada a retirada do útero, pode levar a morte.





Idéias erradas

Há varias idéias falsas sobre os efeitos prejudiciais da castração nos cães. Conheça os mais comuns:
“Cão castrado é mais propenso a problemas de saúde.” FALSO: a probabilidade de pegar doenças não aumenta com a castração. Antes pelo contrário: a retirada de útero e dos ovários, ou testículos, acaba com a possibilidade de infecções e tumores naqueles órgãos, e de complicações ligadas à gravidez e ao parto. Sem acasalamentos, as doenças sexualmente transmissíveis deixam de representar risco. Cai a incidência de tumores da mama.


"Acasalar deixa o cão emocionalmente mais estável.”FALSOdependendo das disputas, o acasalamento pode até causar instabilidade emocional.

”A fêmea precisa ter crias para manter o equilíbrio emocional.”FALSO: não há relação entre os dois fatos. O equilíbrio emocional fica completo com a maturidade, que ocorre por volta dos dois anos nos cães não castrados. Se uma cadela se mostrar mais calma e responsável depois da primeira ninhada, é porque amadureceu devido a ter avançado na idade e não porque se tornou mãe.
”A falta de prática sexual causa sofrimento.”FALSO: o que leva o cão à iniciativa de acasalar é exclusivamente o instinto de procriar, e não o prazer nem a necessidade afetiva. O sofrimento pode atingir machos não castrados. Por exemplo, se vivem com fêmeas e não podem cruzar, ficam mais agitados, agressivos, não comem e perdem peso.
”Castrar reduz a agressividade do cão de guarda.”FALSO: a agressividade necessária para a guarda é determinada pelos instintos territoriais e de caça e pelo treinamento, sem ser alterada pela castração. A dominância e a disputa sexual criam oportunidades para o cão usar a agressividade que tem, mas não são as causas dela.


A castração ajuda a corrigir comportamentos indesejáveis




É o que garante um estudo feito em cães machos pelo Veterinary Mudical Teaching Hospital, da Universidade da Califórnia, em conjunto com a Small Animal Clinic, da Universidade de Michigan. Bastou a cirurgia ser feita para, em grande parte dos casos, cessar o comportamento indesejado, obtendo-se uma rápida solução. Em outros casos, de maus-hábitos mais arraigados, a correção demorou mais, por exigir também um trabalho de reeducação do cão. Veja os resultados:

FUGIR – 94% dos casos foram resolvidos, 47% rapidamente.

MONTAR – 67% dos casos foram resolvidos, 50% deles rapidamente.

DEMARCAR TERRITÓRIO – 50% dos casos foram resolvidos, 60% deles rapidamente.

AGREDIR OUTROS MACHOS – 63% dos casos foram resolvidos, 60% deles rapidamente.


Quanto custa pra castrar?

Economicamente, a cirurgia em filhotes é muito menos onerosa do que em adultos, pois consome menores quantidades de anestésicos e materiais em geral, sem ainda falar no tempo, pois a cirurgia é muito mais rápida.
Outra vantagem em se castrar filhotes é fazer com que após a adoção, não exista o risco destes animais se reproduzirem e agravarem problema da superpopulação, pois, a maioria dos proprietários não está consciente do problema e deixa seus animais se reproduzirem sem critérios. Quando se trata da fêmea o quadro é ainda pior, pois, muitas vezes o que vemos são os donos matarem os filhotes assim que nascem ou jogá-los na rua para que morram ou sejam adotados, e quando eles sobrevivem acabam se tornando cães vadios, sem dono, passando fome nas ruas e transmitindo doenças para outros animais e mesmo para as pessoas.



Cuidado: você pode estar prejudicando a saúde do seu amigo

Os numerosos séculos de domesticação deram ao cão o privilégio de ser o mais cuidado dos animais domesticados pelo homem. Isto significa que pode desfrutar de bons pratos de comida, mas também compartilhar os nossos maus hábitos e as vicissitudes da civilização. Ou seja, assim como os seres humanos, os cachorros também vem sofrendo com a obesidade. Mas diferente de nós, eles comem o que lhes é servido, o que significa que os responsáveis pela obesidade canina são os próprios humanos.
A imagem de um cachorro gordo como sinônimo de animal cheio de vida pertence ao passado; é necessário conhecer as consequências nocivas derivadas de um estado de excessiva gordura para não deixar que se produza, e menos ainda favorecer a obesidade, muitas vezes reflexo de um carinho mal entendido para com um animal de estimação. Muitos acham que um animal gordo é sinônimo de fofura. Outros enchem-nos de comida porque acham que comida é amor e que eles devem satisfazer todas as vontades do cão ou do gato. Mas esses hábitos não só diminui a qualidade de vida do animal, como está encurtando o tempo que ele ficará ao lado do dono, ou seja, sua vida será mais curta por conta de todos os problemas de saúde que a obesidade traz consigo.

30% dos cães sofrem desse problema

Aproximadamente um terço dos cães de estimação sofrem deste problema, que afeta mais as fêmeas que os machos e, segundo alguns, certas raças mais do que as outras. Os cachorros castrados também tendem a engordar mais que outros, por isso é muito importante que esses animais tenham a alimentação ainda mais vigiada.





Como saber se o meu cachorro está obeso?

A obesidade é mais "um acúmulo excessivo de gorduras do corpo" do que "excesso de peso", pois este excesso pode-se verificar também por uma retenção de água ou devido a uma importante massa muscular. No entanto, a avaliação da gordura é relativamente subjetiva, deve-se levar em conta para esta análise o indivíduo, a raça ou a morfologia. A obesidade traduz-se fisicamente por uma certa deformação, devida aos depósitos de gorduras generalizadas ou localizadas em certas partes do corpo.
Para o diagnóstico, o veterinário fundamenta-se na apalpação do tecido adiposo que cobre o tórax: em estado normal, as costelas do cão são apenas discerníveis ao olhar, mais fáceis de apalpar. O zootécnico dispõe, para este tema, no seu arsenal de fórmulas, de uma equação de relação entre peso de um cão e seu perímetro torácico; ainda que de forma aproximada, esta fórmula (P=80 c³, onde P representa o peso em quilogramas e c o perímetro torácico, em metros) permite ter uma aproximação do grau de desvio relativamente a uma proporção normal. Finalmente, pode-se recorrer a tabelas de medidas editadas pelos clubes, porque, de uma raça para outra, para uma mesma altura e cernelha, os pesos variam muito.


Meu cão está obeso. O que devo fazer?

O olhar do cinófilo, do veterinário que o trata, a balança e as suas próprias impressões estão de acordo: o seu cão está obeso. Como se chegou a isso? De longe, em relação a todas as outras, a primeira causa da obesidade é a superalimentação. É realmente necessário constatar que os cães obesos devem o seu peso excessivo, em gordura corporal, a uma ração muito energética. Sem contar aqueles donos que tratam os cães cheios de guloseimas, como queijos (que são muito gordurosos), pão, frios e até chocolate, que é tóxico e pode matar.
Os dietistas falam de balanço positivo de energia. Para uma alimentação equilibrada, este balanço deve ser nulo, ou seja, os acréscimos alimentares devem compensar exatamente os gastos enérgicos devidos à atividade física (esporte, caça, guarda, etc) ou às necessidades fisiológicas (crescimento, gestação, lactação, luta contra o frio, etc). Se os acréscimos forem maiores do que as necessidades, mesmo durante um curto período da sua vida, o cão engordará. É o mesmo que acontece com os seres humanos.Se você come mais do que gasta, você engorda. Se gasta o que come, mantém o peso. E se gasta mais, emagrece. Basta levar isso em consideração quando for pensar no cachorro.
Se o seu cão sofre de excesso de gordura, é necessário rever a sua alimentação, e assegurar-se de que os quilos supérfluos não se devem a outros desajustes.


Talvez  não seja porque seu cão come muito.

A origem da obesidade nem sempre é a superalimentação. Estima-se que 25% dos cães obesos sofram de hipotiroidismo. Por outro lado, conhece-se a tendência dos animais castrados para ganharem peso (as estatísticas mostram que esta tendência aumenta nas fêmeas) mas parece que a esterilização induz à obesidade apenas pelas razões psíquicas que dela resultam, pois as injeções de hormônios sexuais nos animais castrados não corrigem o peso adquirido.

Ao contrário, as glândulas supra-renais produzem muito cortisol, que desenvolve a síndrome de Cushing, caracterizada por um abdomem  dilatado, queda do pelo e músculos fofos. Um animal que apresente estes sintomas bebe e urina muito e dificilmente se satisfaz.
Finalmente, convém mencionar a raríssima lesão do hipotálamo (um tumor por exemplo), centro da saciedade. Uma perturbação no seu funcionamento pode ser responsável por uma fome imoderada.
Menos convencional e mais frequente, o excesso de consumo alimentar de origem psicológica entra no que se chama obesidade do stress. Um cão com boa saúde pode tornar-se bulímico em resposta ao stress ou a um choque psico-afetivo. Certos casos de obesidade observam-se igualmente nos cães "vítimas" de um exagerado carinho por parte do dono, que se traduz em guloseimas. É certo que, seja qual for o motivo da consulta, o veterinário deve levar em conta sempre o meio que o rodeia, psicológica e afetivamente.


Consequências da obesidade

Risco aumentado em cirurgias – Necessidade de uma maior dose de anestesia e menor visibilidade dos órgãos envolvidos em massa gorda;
Maior pressão sobre o coração, pulmões, rim e articulações – Quase todos os órgãos do cão têm de aumentar o seu ritmo de atividade para manter o maior volume de massa do animal.
Agravamento de doenças articulares, como a artrite – O aumento de peso faz com que o cão tenha de forçar mais as articulações para se poder movimentar. A artrite, que provoca dores intensas, pode-se desenvolver devido ao aumento da pressão sobre joelhos, anca e cotovelos. Esta condição é ainda mais preocupante nas raças de porte grande que são já predispostas a desenvolver displasias.
Desenvolvimento de problemas respiratórios em tempo quente e durante exercício – Num cão obeso os pulmões têm menos espaço para se encherem de ar e têm em contrapartida de aumentar a sua capacidade de captação de oxigênio para fornecer ar ao maior número de células no corpo.
Desenvolvimento de diabetes – Doença sem cura que pode obrigar a injeções diárias e pode levar à cegueira. A incapacidade de produção de insulina para processar os níveis aumentados de açúcar está por detrás do desenvolvimento de diabetes.
Aumento da pressão sanguínea que pode originar problemas cardíacos – O coração é um órgão bastante afetado pela obesidade. O coração tem de aumentar a sua capacidade de distribuição de sangue a muitos mais sítios que se foram criando com a acumulação de massa. Como o sangue tem de percorrer um caminhos mais longos, a força ou pressão com que é bombeado tem de aumentar.
Aumento da probabilidade de desenvolver tumores – Estudos recentes associam o desenvolvimento de cancro, sobretudo mamário ou no sistema urinário, com a obesidade.
Perda de eficácia do sistema imunológico – As doenças virais parecem afetar de forma mais agressiva os cães com excesso de peso.
Problemas gastrointestinais – Diarreia e o aumento da flatulência ocorrem mais frequentemente em cães obesos, situação que não é agradável nem para o cão e nem para o dono.


Dez dicas para combater a obesidade

Algumas recomendações simples a este respeito, suficientes para corrigir ou para evitar o excesso de peso, sempre oportuno para outras complicações:

1. Convencer-se do estado de obesidade do seu cão e observar tudo o que o animal come durante o dia.

2. Reduzir 20 a 40 % o valor energético da sua ração (sem diminuir o volume, pois os nutricionistas demonstraram que o cão acostumado a um certo volume de alimentos, tende a mantê-lo, mesmo que a alimentação seja menos energética).

3. Fracionar a ração ao longo do dia (é melhor dar-lhe várias rações pequenas ao longo do dia)

4. Utilizar os alimentos preparados do comércio cuja garantia nutricional é conhecida, ou, melhor ainda, os alimentos dietéticos, vendidos pelos veterinários, especiais para vencer a obesidade. Uma ração especial para cães obesos é fundamental.

5. Dispensar as guloseimas, muitas vezes responsáveis pelas linhas deselegantes: o biscoito pela manhã, o pedacinho de queijo ao meio-dia, a pequena guloseima da noite diante da televisão.

6. Fazer com que beba tanta água quanto seja possível.

7. Impor-lhe um exercício físico regular.

8. Estabelecer um programa preciso de emagrecimento junto com o veterinário que o trata.

9. Comprovar regularmente os progressos obtidos com a ajuda de uma balança e apontar os resultados num diagrama.

10. Uma vez que se encontre em forma, manter um regime de conservação para evitar a recaída (este regime será inferior 10% ao que o cão comia antes de ficar obeso).

O senso comum dos humanos indica que a solução é comer menos. Muitas pessoas dizem que se sentem bem como são e tanto pior se têm uns quilos a mais!

Os nossos cães não conhecem estes estados de ânimo próprios dos donos e portanto devemos evitar-lhe os inconvenientes de uma superalimentação. O único prazer que encontram em comer demais é semelhante ao que podemos encontrar quando nos chateamos. Em casos extremos, a última solução é a hospitalização sob vigilância do veterinário. Ainda não existem casas de saúde para cães.


Dieta para cães obesos

Outras recomendações na luta contra o excesso de peso: pequenas rações ao longo do dia com redução do seu valor energético. Cuidado! Se não toma adequadamente esta medida, existe o perigo de provocar carência. Assim é melhor usar alimentos preparados, que oferecem todas as garantias nutritivas.


Algumas raças com tendência a engordar:


Basset Hound
Beagle
Bichon Frisé
Cairn Terrier e outros terriers de porte pequeno
Caniche Toy
Cocker Spaniel Inglês e Americano
Dachshund
Dálmata
Dogue Alemão
Springer Spaniel Inglês e Galês
Golden Retriever
Labrador Retriever
Mastiff
S. Bernardo
Schnauzer Miniatura
Shih Tzu
Weimaraner


Os cachorros não conseguem ver todas as cores, mas não enxergam em preto-branco.


Cães vêem o mundo de maneira bem diferente da nossa. De certo modo, é como se eles estivessem vivendo em um mundo paralelo. Assim como percebem coisas que não temos capacidade de notar, nós notamos coisas que eles não podem perceber.

Quando se fala de visão canina, logo vem a pergunta: a espécie enxerga em cores ou em preto e branco? Esse assunto será abordado a seguir, mas trata-se apenas de uma das características da visão. Dizer que sabemos como o cão enxerga não se reduz a conhecer essa resposta!


Cães enxergam colorido?

Sim, mas por muito tempo até mesmo os cientistas acreditavam que não. Hoje se sabe que os cães enxergam em cores, mas não distinguem todas as cores que os humanos vêem.

A principal diferença é que os cães não conseguem distinguir o verde do vermelho. Para nós e para outros animais, como pássaros e macacos, que comemos frutas, a diferença entre essas cores é gritante porque é muito vantajoso diferenciar rapidamente as frutas vermelhas das folhagens verdes, por exemplo.  


Cães enxergam em uma escala de cores de amarelos e azuis. 




Uma distinção que os cães conseguem fazer bem é entre o azul e o verde. Bolinhas de cor azul são mais fáceis de o cão buscar em gramados do que as vermelhas, que se destacam menos, e por isso podem ser usadas para estimular o olfato.

Faça o teste: segure o cão sobre um gramado bem verde e jogue uma bolinha azul e uma vermelha. Solte-o somente quando as bolinhas estiverem a pelo menos uns 10 metros de distância. Provavelmente, o cão optará por seguir a bola azul, muito mais visível para ele.


Visão noturna

É verdade que os cães enxergam no escuro? Depende. Na escuridão total, não. Mas os cães enxergam muito melhor do que nós no escuro, apesar de não conseguirem distinguir bem as cores. Pode-se dizer, portanto, que no escuro os cães enxergam em preto e branco.

A visão noturna é importantíssima para os animais que caçam no escuro, por dependerem basicamente da luz da lua e das estrelas. É o caso das matilhas selvagens e das alcateias, cujos uivos, usados também para reunir o grupo para caçar, podem ser mais ouvidos à noite, especialmente nas noites claras.

Os cães precisam de 1/4 da luz que os humanos precisam para enxergarem a noite. 


Faça o teste: com uma câmera de vídeo que filma no escuro (infravermelho) observe como o seu cão se locomove num quarto totalmente escuro. Coloque uma caixa ou cadeira fora de lugar e observe se ele desvia antes ou depois de tocá-la com a cabeça ou bigode. Depois, estimule o cão a andar - jogue uma bolinha que ele adore ou chame-o na sua direção – e aumente a luminosidade aos poucos (use luzes com intensidade ajustável ou permita que a luz da rua entre). Haverá um momento em que, apesar de você ainda não enxergar os objetos, o cão já desviará deles com facilidade. Isso mostra que ele enxerga com muito menos luz do que nós.


Os cães conseguem ver de costas?




Graças a uma amplitude de visão bem maior que a nossa, os cães enxergam o que está atrás deles. Como têm olhos mais laterais que os nossos, conseguem ver uma área maior, tanto para localizar presas como eventuais predadores. A maior amplitude visual varia, já que a posição dos olhos muda conforme a raça. Pastores Alemães, por exemplo, têm amplitude visual muito superior à dos Pugs.

Faça o teste: olhe para a frente e traga suas mãos com as palmas abertas a partir de trás da cabeça até enxergá-las. Você só as verá quando estiverem um pouco à frente das orelhas. Isso mostra que a amplitude visual humana é de aproximadamente 180 graus. Experimente fazer isso com o seu cão. Aproveite quando ele estiver olhando fixamente para um local. Mova um objeto de trás para a frente até que ele o perceba e vire a cabeça, querendo-o. Repare como o objeto é percebido, mesmo estando ainda atrás do cão. Fique atento: como o olfato e a audição dos cães são fantásticos, tente evitar que o objeto seja percebido pelo cheiro ou pelo barulho.


Detecção de movimento

Os cães conseguem detectar muito mais facilmente algo em movimento do que parado, qualidade útil nas perseguições durante a caça. É como se o objeto em deslocamento saltasse de um fundo parado.

Faça o teste: amarre numa cordinha um objeto que o cão adore. Prenda o cão num ponto fixo e distraia-o. Coloque o objeto a uma distância tal que fique difícil de ele ver facilmente. Solte o cão e, quando ele estiver “perdido”, procurando o objeto, puxe a cordinha para o objeto se mover. Observe como é localizado facilmente quando entra em movimento. Só não dá para sugerir uma distância padrão, porque o alcance da visão dos cães varia bastante e muitos deles são míopes.


Profundidade

Os cães não enxergam bem as profundidades. Como eles tem as pupilas muito grandes, quando eles vêem as coisas com certa distância, eles só enxergam com foco o que está no centro da imagem. Todo o resto é borrado. De qualquer forma, os cães conseguem perceber um objeto em movimento com até 600 metros de distância!



Cães não enxergam bem de longe

Sim, os cães são míopes. Eles só conseguem ver detalhes com até 6 metros de distância, enquanto uma pessoa com uma visão  saudável consegue ver a 22 metros de distância. Cães não passariam no exame de motorista! 


Stanley Coren,  em seu livro A Inteligência dos Cães, elaborou uma tabela através de um questionário elaborado por ele e preenchidos por juízes americanos, especializados em provas de obediência. O objetivo era atingir o maior número de cães e raças arcando com o "risco" de uma avaliação indireta. Segundo ele, 208 juízes especialistas nos EUA e no Canadá responderam ao seu questionário e destes, 199 foram completos.


Qual a ressalva importante a fazer antes de publicar a lista? É importante ter em mente que a "inteligência" de que falamos, é para Stanley Coren, definida como "Inteligência de Obediência e Trabalho", e não da inteligência "Instintiva" dos cães. As 133 raças foram organizadas de 1 a 79.

Graduações de 1 a 10 - Correspondem aos melhores cães em termos de inteligência e trabalho. A maioria dos cães destas raças começam a mostrar sinais de compreensão de comandos simples após apenas 5 repetições e não precisam de muita prática para manter esses comandos. Eles obedecem a primeira ordem dada pelo dono/treinador em cerca de 95% dos casos, e além disso, eles costumam obedecer a esses comandos apenas alguns segundos depois de solicitado, mesmo que o dono esteja longe fisicamente. 

Graduações de 11 a 26 - São excelentes cães de trabalho. O treinamento de simples comandos depois de 5 a 15 repetições. Os cães lembram destas ordens muito bem embora possam melhorar com a prática. Eles respondem ao primeiro comando em cerca de 85% dos casos, ou mais. Em casos de comandos mais complexos, é possível notar, ocasionalmente, uma pequena demora no tempo de resposta, mas que também pode ser eliminada com a prática destes comandos. Cães deste grupo também podem demorar mais a responder se seus donos/treinadores estiverem fisicamente distantes.

Graduações de 27 a 39 - São cães de trabalho acima da média. Embora eles demonstrem um entendimento preliminar de novas tarefas simples depois de 15 repetições, em média vão precisar de 15 a 20 repetições antes que eles obedeçam de formas mais imediata. Os cães desse grupo se beneficiam enormemente de sessões extras de treinamento , principalmente no começo da aprendizagem. Depois que eles aprendem e adquirem o hábito do novo comportamento, geralmente eles retêm os comandos com uma certa facilidade. Outra característica destes cães é que ele costumam responder no primeiro comando em 70% dos casos, ou ainda melhor que isso, dependendo da quantidade de tempo investido no treinamento deles. A única coisa que os separa dos melhores cães em obediência é que eles tendem a demorar um pouquinho mais de tempo entre o comando dado e a resposta, além disso eles parecem ter um pouco mais de dificuldade em se concentrar no comando na medida em que o dono se distancia fisicamente deles. No entanto, quanto maior a dedicação, paciência e persistência do dono/treinador, maior o grau de obediência desta raça.

Graduações de 40 a 54 - São cães de inteligência de trabalho e obediência intermediária. Durante o aprendizado, eles irão demonstrar sinais rudimentares de compreensão após 15 a 20 repetições. No entanto, para que eles obedeçam razoavelmente serão necessárias de 25 a 40 experiências bem sucedidas. Se forem treinados adequadamente, estes cães irão apresentar boa retenção e eles irão se beneficiar, definitivamente, de todo esforço extra que o dono dispensar durante o período inicial de aprendizado. Na verdade, se este esforço inicial não for aplicado, no início do treinamento, o cão parecerá perder rapidamente o hábito de aprender. Normalmente eles respondem no primeiro comando em 50% dos casos, mas o grau de obediência final e confiabilidade irá depender da quantidade de prática e repetições durante o treinamento. Ele também poderá responder de uma forma consideravelmente mais lentas do que as raças em níveis mais elevados de inteligência.

Graduações de 55 a 69 - São cães cuja capacidade de obediência e de trabalho é apenas razoável. às vezes é preciso cerca de 25 repetições antes que eles comecem a mostrar algum sinal de entendimento do comando novo e provavelmente serão precisas outras 40 a 80 repetições antes que eles se tornem confiáveis em tal comando. Ainda sim o hábito de obedecer ao comando pode parecer fraco. Se eles não forem trenados várias vezes, com extra dose de persistência, estes cães irão agir como se tivessem esquecido completamente o que se espera deles. Sessões ocasionais de reforço são necessárias para manter a performance do cão num nível aceitável. Se os donos trabalharem apenas o "normal" para manter seus cães treinados, os cães irão responder prontamente no primeiro comando em apenas 30% dos casos. E mesmo assim, eles obedecerão melhor se o dono estiver muito perto deles fisicamente. Esses cães parem estar sempre distraídos e obedecem apenas quando eles assim desejam.



Graduações de 70 a 80 - São as raças julgadas como as mais difíceis, com o menor grau de inteligência de trabalho e obediência. Durante o treinamento inicial, podem precisar de 30 a 40 repetições de simples comandos antes de mostrarem algum sinal de que fazem ideia do  que se trata. Não é raro que esses cães precisem executar mais de 100 vezes um comando antes de se tornarem confiáveis na sua performance.


Ranking:

1º - Border Collie
2º - Poodle
3º - Pastor Alemão
4º - Golden Retriever
5º - Dobermann
6º - Pastor de Shetland
7º - Labrador
8º - Papillon
9º - Rottweiler
10º - Australian Cattle Dog
11º - Welsh Corgi (Pembroke)
12º - Schnauzer Miniatura
13º - Springer Spaniel Inglês
14º - Pastor Belga Tervuren
15º - Pastor Belga Groenland, Schipperke
16º - Collie, Keeshond
17º - Pointer Alemão de Pêlo Curto
18º - Cocker Spaniel Inglês, Flat-Coated Retriever, Schnauzer Standard
19º - Brittany
20º - Cocker Spaniel Americano
21º - Weimaraner
22º - Pastor Belga Malinois, Bernese Mountain Dog
23º -Spitz Alemão
24º - Irish Water Spaniel
25º - Viszla
26º - Cardigan Welsh Corgi
27º - Yorkshire Terrier, Chesapeake Bay Retriever, Puli
28º - Schnauzer Gigante
29º - Airedale Terrier, Bouvier de Flandres
30º - Border Terrier, Briard
31º - Welsh Springer Spaniel
32º - Manchester Terrier
33º - Samoieda
34º - Field Spaniel, Terra Nova, Terrier Australiano, American Staffordshire Terrier, Setten Gordon, Bearded Collie
35º - Setter Irlandês, Cairn Terrier, Kerry Blue Terrier
36º - Norwegian Elkhound
37º - Pinscher Miniatura, Affenpinscher, Silky Terrier, Setter Inglês, Pharaoh Hound, Clumber Spaniel
38º - Norwich Terrier
39º - Dálmata
40º - Soft-Coated Wheaten Terrier, Bedlington Terrier, Fox Terrier Pêlo Liso
41º - Curly-Coated Retriever, Irish Wolfhound
42º - Kuvasz, Pastor Australiano
43º - Pointer, Saluki, Finnish Spitz
44º - Cavalier King Charles Spaniel, Pointer Alemão de Pêlo Duro, Black & Tan Coonhound, American Water Spaniel
45º - Husky Siberiano, Bichon Frisé, English Toy Spaniel
46º - Tibetan Spaniel, English Foxhound, Otterhound, American Foxhound, Greyhound, Wirehaired Pointing Griffon
47º - West Higland White Terrier, Deerhound Escocês
48º - Boxer, Dogue Alemão
49º - Daschund, Staffordshire Bull Terrier
50º - Malamute do Alasca
51º - Whippet, Shar-Pei, Fox Terrier Pêlo Duro
52º - Rhodesian Ridgeback
53º - Ibizan Hound, Welsh Terrier, Irish Terrier
54º - Boston Terrier, Akita
55º - Skye Terrier
56º - Norfolk Terrier, Sealyham Terrier
57º - Pug
59º - Griffon de Bruxelas, Maltês
60º - Greyhound Italiano
61º - Chinese Crested
62º - Dandie Dinmont Terrier, Pequeno Basset Grifo da Vendéia, Terrier Tibetano, Japanese Chin, Lakeland Terrier
63º - Old English Sheepdog
64º - Cão dos Pirineus
65º - São Bernardo, Scottish Terrier
66º - Bull Terrier
67º - Chihuahua
68º - Lhasa Apso
69º - Bullmastiff
70º - Shih Tzu
71º - Basset Hound
72º - Mastino Napoletano, Beagle
73º - Pequinês
74º - Bloodhound
75º - Borzoi
76º - Chow Chow
77º - Bulldog
78º - Basenji
79º - Afghan Hound 


definição de temperamento de um cão seria “a maneira como esse cão interage com e reage ao mundo que o cerca”.


O temperamento, grosso modo, é 50% composto de características genéticas (a PERSONALIDADE do cão, tímida ou ousada; curiosa ou indiferente; corajosa ou cautelosa; agitada ou calma; introvertida ou extrovertida, etc) e 50% de comportamentos adquiridos nas experiências da vida de cada cão (o estado de espírito que o cão apresenta em cada momento de sua vida, de medo ou autoconfiança; interesse nas coisas que o cercam ou apatia; ansiedade ou preguiça etc.).

Quando se diz que é preciso escolher o cão adequado para cada pessoa, se está falando do temperamento como um todo: tanto a personalidade quanto o estado de espírito do cão devem ser compatíveis com os do aspirante a dono...

A personalidade básica – genética – não muda. O estado de espírito do cão – conseqüência de suas experiências de vida – pode ser trabalhado.

Insisto no assunto "temperamento" porque essa é, a meu ver, a maior falha e ao mesmo tempo a melhor qualidade da criação das diferentes raças! Como cada raça foi desenvolvida para determinado trabalho, tem em sua genética as características específicas de temperamento para exercer cada função.

Quando o homem começou a selecionar raças de cães, o fez visando determinadas qualidades, muito mais funcionais do que plásticas. Com o tempo, se passou a privilegiar a boa aparência física e o temperamento padrão de cada raça foi deixado no esquecimento, ou quase, na hora da reprodução. Por isso encontramos hoje muitos Pastores Alemães covardesLabradores agressivos etc. - desvios do temperamento padrão, que se tornam falhas comportamentais. Ninguém compra um Labrador esperando um cão feroz. Ninguém compra um pastor pra cãozinho de madame. Mas os exemplares padrão de cada raça nos dão boas pistas quanto ao temperamento desejado/necessitado quando vamos comprar ou adotar um cão.

Persiste uma dúvida: podemos mudar o temperamento de um cão para reabilita-lo, dependendo da maneira com que lidamos com ele? Podemos não mudar, mas controlar características genéticas indesejadas para nós, humanos, por meio de adestramento combinado com psicologia canina. Infelizmente o inverso também é verdadeiro: em vez de reabilitar, nosso comportamento equivocado pode estragar um cão equilibrado.

O que pode mudar de acordo com nossa atitude é o estado de espírito do cão, não o temperamento genético. Às vezes, nem mesmo os 50% q compõem o temperamento adquirido via vivências, que é o tipo de comportamento do cão, são totalmente mutáveis, mas são estes 50% adquiridos que podem ser reabilitados, e não os 50% genéticos.

A metade genética – personalidade - é como se fosse o hardware de seu computador, e a metade adquirida – comportamento - é como se fosse o software. A primeira você não muda, apenas incentiva os traços de temperamento desejáveis e controla os indesejáveis; o segundo você vai adaptando às necessidades do momento. A reabilitação de um cão é uma adaptação ou atualização do software dele (suas programações mentais). Há casos até em que essa atualização se dá sem ajuda nossa, de acordo com as vivências do cão, mas é raro. Mesmo assim, quase sempre fica uma "sombra" daquela situação traumática que originou qualquer comportamento passível de reabilitação.

E é porque não se muda um hardware que é tão importante que os criadores selecionem seus reprodutores também pelo temperamento, e não somente pela aparência física.

Talvez se entenda melhor continuando com a metáfora: não dá para programar um alto desempenho em um hardware com baixa capacidade, assim como às vezes não dá para adaptar certo tipo de software em certo tipo de hardware...Se, por exemplo, seu cão melhorou seu desempenho em relação ao modo de enfrentar seus medos depois que você fez com ele um trabalho de dessensibilização, é porque o hardware dele tinha capacidade para isso. Neste caso, a mudança na energia do dono foi a atualização do software, que o hardware do cachorro tinha capacidade de comportar. Podia não ter!

A genética é imutável, assim como determinados traumas deixam cicatrizes indeléveis. De qualquer forma, se a personalidade básica não pode ser mudada, trabalhando bem com o software de acordo com o tipo de hardware que dispomos, podemos, sim, melhorar o temperamento de um cão, e o alcance dessa mudança vai depender de nossa habilidade como programadores – planejando e direcionando nosso manejo e nosso PRÓPRIO estado de espírito – já q os cães são especialistas em entender nossa linguagem corporal e conseqüentemente a emoção que estamos sentindo no momento - fazemos “programações mentais” nos cães.

E utilizando o ANTI-VÍRUS da nossa própria maneira correta de lidar com um cão, sem humaniza-lo e proporcionando a ele todas as suas necessidades instintivas: 1. exercício; 2. disciplina; 3. afeto, só depois dos dois primeiros itens, quando o cão estiver relaxado, seremos programadores de sucesso, e não “destruidores de hardwares caninos”.


Você alimenta o medo do seu cão. Entenda a psicologia por trás do medo e aprenda como prevenir uma fobia.






A fórmula do medo: 
Medo = Insegurança (baixa auto-estima) + Trauma (evento aversivo causado por agente externo).

Cães nascem mais dominantes ou mais submissos e os mais submissos tem uma predisposição maior à insegurança. Na natureza eles jamais desenvolvem uma fobia, pois o comportamento de medo é ignorado pela matilha, obrigando o cão assustado a seguir em frente. Os cães criados entre humanos têm o seu medo reforçado pelos donos e, ao invés de seguirem em frente, como na natureza, estagnam no quadro de medo e o intensificam desenvolvendo fobias.


Como reforçamos e intensificamos o medo de nosso cão?

O ser humano não só humaniza seus cães como também os infantiliza, consequentemente, usam a psicologia infantil para lidar com o medo do seu animal de estimação. Um bebê precisa se sentir protegido pela mãe quando tem medo, um cão precisa ser liderado com energia calma e firme quando tem medo. Uma cadela apenas dá ferramentas para que seu filhote cresça forte pra ganhar a vida tão logo seja possível, facilitando seu amadurecimento. A mãe humana tem por hábito, viver a vida do filho até este não suportar mais, dificultando o amadurecimento.

Reforçamos o medo com carícias e palavras de consolo quando o cão está neste estado. Ao contrário do que se possa imaginar, isso não funciona como alento ao animal e sim como uma recompensa por sentir medo. É como se disséssemos “Bom garoto, sinta mais medo!” e, este medo irá aumentar gradativamente até virar uma fobia incontrolável.

Um bom exemplo desse reforço de medo é a clínica veterinária. Quase todo cão mais submisso tem medo de clínicas, justamente por tentarmos acalmá-lo de maneira errada, muitas vezes incentivada pelos próprios veterinários, que embora sejam os maiores conhecedores de saúde animal, não aprendem psicologia canina na faculdade.


O que fazer com um cão inseguro?

Devemos ignorar o medo. Não olhar, não tocar e não falar com um cão nesse estado. Se fizermos isso desde o primeiro sinal de medo, raramente evoluirá. Se seu cão já desenvolveu o medo, tente antecipar o evento causador do trauma e, antes que os sintomas apareçam convide-o para uma atividade que ele goste (passeio, brincadeira, treinamento com petiscos, etc.), ele irá associar o evento, antes traumatizante, a uma atividade positiva e perderá o medo.

Essas dicas funcionam para cães que ainda não desenvolveram ou estão no nível 1 de medo. Se o cão está no nível 2 ou já desenvolveu uma fobia, é necessário consultar um profissional em comportamento canino, pois será preciso uma terapia comportamental o mais rápido possível, antes que o problema evolua ainda mais.


Sua casa precisa de alguns preparos antes do seu novo filhotinho chegar!


Antes de levar um cachorro pra casa, você tem que se certificar que tudo esteja seguro para que não aconteça nenhum acidente com suas coisas ou mesmo com seu novo amigo. Cães são eternas crianças, e filhotes são como bebes, requerem muita atenção e cuidado redobrado. Olhe em volta, tire quaisquer objetos que possam ser engolidos ou aquelas coisas que você adora e não quer ver mastigada futuramente.

Veja aqui coisas especificas que você pode fazer na sua casa:

- Guarde plantas, objetos de decoração muito pequenos ou frágeis, sapatos e roupas.

- Não deixe nada pelo chão. Você pode achar fofo quando vir ele comendo aquele seu sapato velho, mas ele não sabe a diferença pra um novo. Não caia na besteira de dar um sapato/chinelo velho pra ele mastigar, ou não reclame quando ele destruir seu tênis novinho.

- Prenda pontas soltas que podem ser puxadas, como toalha de mesa, fios pendurados e etc. Seu amigo vai com tudo puxar qualquer objeto que balance e ai.... Você pode prender com fita adesiva ou simplesmente retirar. 

- Lembre-se que seu bichinho eh curioso e vai adorar investigar a sua casa e mexer em tudo, ate ser devidamente educado.

- Caudas balançam. Coisas caras quebram. Pense nisso.

- Esconda qualquer coisa que possa ser venenosa para seu filhote. Isso inclui remédios, produtos de limpeza, tinta e alguns alimentos, como o chocolate. 

- Enrole e esconda fios de telefone e aparelhos eletrônicos.

- Proteja tudo que for feito de madeira, como pés de mesa e cadeiras. Cães sabem por instinto que madeira eh bom pra roer.

- Limpe todo o jardim. Verifique que a grade seja segura e sem buracos. Esconda mangueiras. Cuidado com piscinas, não o deixe acessar quando filhote. Se você tiver alguma plantação de ''comigo-ninguém-pode'', remova-a imediatamente. Essa planta é venenosa.  

- Veja se em algum lugar por onde o seu cachorro possa passar e vede qualquer passagem. 


Atitudes importantes pro seu cachorro não sofrer

Você pode adotar hábitos para diminuir aansiedade de separação quando seu cachorro vai ficar sozinho em casa durante muito tempo. Cães que não conseguem ficar sozinhos entram em depressão, procuram ocupar o tempo destruindo móveis e objetos e fazem besteiras pra chamar a atenção.


Se o cachorro ficar sozinho esporadicamente, ele não vai chegar a se acostumar mal com a sua ausência. As dicas deste post são para o caso de os donos trabalharem fora e o cachorro precisar se adaptar a uma rotina onde ele terá que permanecer sozinho durante um longo período.

Deixando o cachorro sozinho em casa


- NUNCA diga "tchau", dê beijos, fale fininho... Isso significa (para ele) que existe alguma situação que está te incomodando, te fazendo sofrer. Consequentemente ele fica angustiado e poderá chorar, latir, se auto-mutilar, etc. Quando for sair, simplesmente vire as costas e saia. Sem despedidas, sem voltas (para dar uma "espiadinha"), sem dó. Quanto mais "normal" parecer a situação, mais rápido ele se acostuma a ela.



- Quando voltar espere um pouco para fazer "festinhas". Caso abra a porta já passando a mão nele, fazendo carinho e pegando no colo, ele ficará te esperando todos os dias, muito ansioso por sua volta. Chegue em casa, troque de roupa, aja normalmente e só aí faça festinha pro seu cão. É tentador, mas você estará fazendo o melhor pra ele.


- Deixe brinquedos para mastigar, bolinhas e petiscos escondidos. Existem brinquedos inteligentes que fazem com que ele tenha o que fazer por algum tempo. Deixe dois ou três brinquedos "especiais" guardados. Esses brinquedos nunca ficarão a disposição dele o tempo todo. São brinquedos que você brinca com ele, estimula bastante e quando ele estiver doidinho pelo objeto, você guarda. Esses brinquedos servem também para ajudar nessas horas de solidão prolongada. Você também pode adaptar, pegar uma garrafa pet, colocar petiscos que ele adore dentro, vedar bem e fazer furos mínimos pela garrafa.


- Se puder, deixe uma camiseta sua com ele. Seu cheiro faz com que ele não se sinta tão sozinho.



- Cuidado com coisas como brinquedos que soltam partes, pelúcia, ossos, etc. Caso ele engasgue com um pedaço, você não estará perto para ajudar. Tire também fios e objetos quebráveis. Desligue equipamentos eletrônicos das tomadas para o caso dele mastigar. O ideal é que você delimite um espaço, assim você diminui os riscos de ele se machucar. Por exemplo, fechar as portas dos banheiros, quarto de hóspedes, enfim.

- Caso seja filhote, ele deve ficar preso em uma área restrita enquanto não estiver habituado com a nova casa, com a rotina de ficar sozinho e com as necessidades no jornal. Saiba como ensiná-lo a fazer xixi e cocô no lugar certo e aprenda a preparar a sua casa para a chegada do filhote.


Qual é o melhor nome para eu dar ao meu cachorro?

Pode ser bem dificil escolher o nome de um novo filhotinho. É normal que a gente queira dar nomes com os quais tenhamos alguma ligação especial, como o nome de um artista, uma personalidade ou até de uma comida que gostamos. Independente do nome, seu cão não terá nenhuma ligação emocional com ele. Seu nome será apenas um código pelo o qual seu cão saberá que precisa voltar a atenção a você.

Quando ouvir seu nome, ficará atento para o que virar a seguir. Um bom nome é um nome que chame a atenção do cão de maneira inteligente e fácil. O TSC  vai te dar algumas dicas para te ajudar a encontrar o nome perfeito.


Simplifique

Uma ou duas sílabas é o ideal, sendo três o número máximo de sílabas. Se o nome for longo ou complicado, vai ser difícil chamá-lo e seu cachorro pode não entender. Ter que repetir o nome do cão para ter sua atenção faz com que o treinamento fique difícil e pode ser até perigoso em algumas situações. 


Não rime com comandos

Os comandos básicos são sentafiquebuscadeiterola. Para não confundir seu cachorro, dê um nome diferente de palavras que você vai usar no dia-a-dia. Se chamá-lo de Dique, como vai depois diferenciar de fique? 


Nomes curtos terminados em vogais são mais fáceis do cão aprender

Isso é porque as palavras terminadas em vogais são pronunciadas mais facilmente por nós, humanos, e por isso a sonoridade fica melhor de ser entendida. 


Tente não usar nomes tradicionais de pessoas

Um bom nome de cachorro deve ser simplesmente isso, um nome de cachorro. Nomear seu cão como uma pessoa pode te fazer esquecer que ele é de fato um cão. Isso aumenta a tendência que algumas pessoas tem de tratar cães como pessoas, esquecendo assim de que cães precisam ser tratados como cães para serem realmente felizes, pois eles veem o mundo diferente de nós. 


Não dê um nome que ofenda seu cachorro

Cães são sensitivos e percebem quando estão sendo o alvo das atenções pro lado bom ou ruim. Fazer outras pessoas "tirarem sarro" do seu cão não será bom pra ele e nem pra você. 


Evite dar nomes parecidos com outros da casa

Seu cão precisará de um nome único, para que ele saiba que quando ouvir este som, é para que fique alerta. Por exemplo, se você chama seu parceiro de "amor", não dê o nome do seu cão de Flor. Toda vez que você falar "amor", ele poderá achar que está sendo chamado e ficará muito confuso. O cão, na prática, só ouve a vogal final, então pra ele, flor, amor, cor e dor são a mesma coisa.


imagens-ilustrativas-de-cães


























































texto copiado em parte do site tudosobrecachorros.com.br

fotos ilustrativas copiadas da net








Um comentário:

  1. Gostei muito da matéria. elucidou várias dúvidas! Obrigado

    ResponderExcluir

POSTE AQUI UMA MENSAGEM.